A produtividade da sua empresa depende da felicidade do seu pessoal

A produtividade da sua empresa depende da felicidade do seu pessoal

Se a última edição da Revista Brasileira de Administração teve um viés todo voltado para assuntos administrativos, financeiros e de gestão do mundo corporativo, na edição 143 a RBA aborda outros aspectos a serem considerados pelos gestores. 

A entrevistada da vez é a administradora Elaine Lucia da Silva. Com mais de 20 anos de carreira, tem experiência nas áreas de Recursos Humanos e, nos últimos anos, especializou-se em diferentes áreas da gestão, tais como em saúde, inovação e conhecimento. Funcionária da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), é mestra em Saúde Pública e doutoranda em Ciência da Informação. Versátil, Elaine Silva é exemplo de profissional que sabe aliar estudo, conhecimento e prática e contou como consegue equilibrar tantos pratos ao mesmo tempo. 

Uma das virtudes apontadas por ela para ter êxito é a diligência. Manter uma rotina bem determinada ajuda na hora de desempenhar as tarefas e não procrastinar. Afinal, quem nunca? O assunto é tema de outra matéria da revista que mostra que o ato de postergar traz significados que vão muito além de ficar na zona de conforto. O hábito pode indicar problemas físicos e até psicológicos, afirmam especialistas. 

Cumprir com compromissos estabelecidos traz sensação de dever cumprido e contribui para pessoas mais felizes. E quando a felicidade é responsável pelo sucesso da produtividade? Na matéria de capa desta edição, nossa equipe trouxe um material especial sobre o vínculo entre vida pessoal e profissional. A necessidade de fazer o que se gosta como fonte de renda também é discutida, uma vez que a maioria dos adultos passa mais tempo dedicada ao trabalho do que a qualquer outro tipo de atividade.

Para entender essa relação, o executivo, consultor e autor norte-americano, George Brandt, aponta três pontos cruciais sobre o que considera “felicidade”, vital para alcançar alta produtividade no competitivo mercado de trabalho . Não por acaso, os três itens estão relacionados tanto ao labor quanto aos relacionamentos interpessoais e à saúde em seus diferentes aspectos.

Para quem se interessa por marketing e afins, a RBA explica o que é Branding e o que está por trás do termo. Estratégico para todo negócio, ele facilita a publicidade e é o divisor de águas na escolha de um produto ou serviço. Mas se o interesse é na área de inovação em liderança, a matéria sobre ESG é a recomendação. 

Tripé que ganhou o mundo, o selo socioambiental e empresarial já é pré-requisito em agências de investimento no Brasil e no exterior. Criado com o objetivo de proteger o meio ambiente, melhorar o bem-estar social e prezar pela transparência e idoneidade das empresas, o ESG é um dos principais frutos das transformações econômicas do século 21.

Para entender este assunto e muito mais, acesse a edição 143 da RBA clicando aqui. 

Elisa Ventura 

Assessoria de Comunicação CFA